A gente fica bem de listrado

A gente fica bem de listrado

Quando a Ana era pequena, não tinha boneca, nem carrinho. Ela brincava num universo fantástico, onde cada casa e barquinho havia sido feito por ela, com uma mistura de flores, papéis de seda e pó de estrela.

Não sei se isso é verdade, mas só pode ser. Porque a capacidade que a Ana tem de criar beleza em qualquer forma,  de guardanapo a um pedaço de madeira, não é coisa que se aprende. É dom, daqueles que a gente não sabe se existe ou inventaram.

Como costuma ser, a Ana é casada com o André, um cara legal e talentoso que nem ela. Eles são pais da Stella, que além de ter o sorriso mais bonito do parquinho, tem também sorte à beça.

A maternidade levou a Ana a descobrir um novo mundo, de brinquedos lúdicos, que nascem de uma folha de papel em branco e se transformam em obra de arte com infinitas caras e formas.

Porque ela é quem é, criou o Printa e Dobra, para que todas as crianças pudessem se divertir que nem a Stella e o outro filho que vem por aí. Agora a sorte também é nossa!

Se tudo parece exagerado, escolhe um post, pegue uma caixa de lápis cor e me diga depois se é possível não se apaixonar.

Valentina, amiga e bem fã--